Arquivo | Inside RSS feed for this section

2013, tks!

31 Dez

1511302_667980229924843_500834394_n

Um bom 2014 pra gente, desejo do fundo do meu coração ter os olhos da alma abertos para ver “la poesie da la vie”, que Edgar Morin tão docemente compartilha conosco neste vídeo de Fronteiras do Pensamento

Este foi um ano de grande crescimento espiritual para mim, não sei se é cármico ou por ser de capricórni0, mas sempre tive uma tendência a dar mais importância do a maioria das pessoas para os momentos difíceis, não consigo deixar passar ou escapar, faço questão de entender e isso dói, dói pra caramba.

Mas acho que agora, comecei a compreender que o sofrimento transforma, sem os momentos difíceis o espírito não tem oportunidade de mostrar sua grandeza e se por a prova, é como um grande gladiador sem desafios…

Por isso, agradeço até mesmo os perrengues que passei em 2013, despertaram algo de mais forte em mim e espero que isso continue em 2014.

Que venham as tempestades…estou pronta para esperar que elas passem e o sol possa se por silenciosamente, é assim que os grandes espetáculos (e atitudes) acontecem: sem alardes. A beleza está em si e não precisa ser comunicada, é apenas percebida.

Este ano, passei  a valorizar meu desejo de ser feliz e minha sensibilidade, eu mereço! Quem não viu, esse vídeo do prof. Clóvis, sobre a Felicidade, fica aqui como retropec. também:

E por fim, o resumo do WordPress para o meu blog, que estava abandonadinho este ano… principalmente devido à dedicação ao BlogdeAi e ao DukanBrasil , mas este blog sou eu e sempre estará por aqui. 🙂

Here’s an excerpt:

The concert hall at the Sydney Opera House holds 2,700 people. This blog was viewed about 10,000 times in 2013. If it were a concert at Sydney Opera House, it would take about 4 sold-out performances for that many people to see it.

Click here to see the complete report.

Obrigada pelos peixes

31 Dez

Deverias ter me dito desde o início

Assim ~ talvez ~ evitaria que minha alma, que como em sublime orquestra se encontrava, passeasse pelas suas histórias tuas.

Sabe, é que das duas, uma:

Ou, o elemento ínfimo e fundamental de toda poesia tivesse sido a excitante liquidez de suas notas que causou a estranha e confortável certeza de sua fugacidade.

Ou, talvez fosse indiferente.

E aí, mesmo que conhecesse, já não havia possibilidade de alterar-se o lânguido percurso que agora se descreve para que o coração tenha paz.

Seguro, como naquelas histórias em que a melodia já fora memorizada, morava uma suave e acalentadora familiaridade. Madura, ingênua, indefinível.

Só o que se podia saber é seria bom ouvir e resgatar cada fragmento que se materializava em diversas formas. Não em todas.

Breves reticências não foram capazes de demonstrar qualquer não sinal de convite.

As janelas estavam abertas, o vento morno arrastava para fora. Como em água doce e calma, mergulhei, desses que não se tem, desses que nem sequer se concebem.

Ainda que já tivesse suspeitado da sombra, nunca havia sentido o sol tocar na pele como desta vez. Fechei os olhos forte, como se assim a sensação pudesse ser melhor capturada e devidamente compreendida.

Mas ao abri-los e levá-los novamente ao céu, a lua me fitava.  Nítida, ainda que nublada, era possível senti-la embora não fosse possível tocá-la. Respirei fundo como se isso tornasse a sensação tão materializável como um beijo, por puro reflexo da alma.

Ela estava aninhada nas notas, dançando boba. Como criança pequena em colo de mãe.

Seu desejo primeiro foi engolido num ato generoso e transformado numa preciosa lágrima que feliz se deliciou e a saciou, ela apenas exigiu em palavras se expressar:

poderias ter dito desde o início, mas obrigada pelo passeio através da linda janela sua.

PE.

18n13

Sobre Anjos II

19 Mar

images (1)

Esse post quase foi sobre almas gêmeas, mas aí ficou sobre anjos mesmo.

Tenho duas imagens sobre anjos dentro de mim: aquele anjo que protege (anjo da guarda) e o anjo que existe para te fazer digno. Digno de possuir a vida que ganhou de presente (ou de carma).

Anjos deixaram de ser criaturas distantes, celestiais, preservadas sob a áurea do divino. Talvez eles ainda sejam essas criaturas – se quiser ver o lado mágico da coisa – mas eles se vestem de um material tão mortal e tão humano quanto nós, mas com uma missão especial: tirar o melhor de nós, despertar o divino latente dentro da gente.

Imagino que cada um desses anjos tenha uma abordagem : alguns são disfarçados de monstros – tem a cara feia, dão arrepio mas ao mesmo tempo nos atraem de uma maneira misteriosa. Por mais dolorosa que seja a passagem desses anjos na nossa vida, eles nos obrigam a aprender, levantar, trabalhar nossos sentimentos, e no fim, depois que eles passam por nossas vidas nunca mais somos os mesmos. A pérola é fruto do sofrimento, também nós podemos aproveitar uma experiência ruim e apropriarmos de algo único, pessoal e intransferível: a experiência humana.

Tanta volta para chegar ao ponto que quero: um desses tipos de anjos – aqueles cuja existência quase se confunde com o significado da nossa.

É uma variação do anjo da guarda, mas que, devido às nossas necessidades assumem papéis diferenciados – algumas vezes afagam, elogiam, cuidam, zelam e outras provocam, repreendem, brigam e até desprezam.

Parece contraditório , mas esses anjos vão assumir a forma – ou papel – que for necessária para nos forçar a ser o melhor que conseguimos, essa é a missão deles. Quanto mais sublime nosso processo de transformação em seres dignos, mais eles alongam suas asas e mostram as dádivas divinas que são.

Você deve conhecer pessoas assim também, são pra elas que você corre na hora que a coisa aperta, quando o nó chega na garganta e faz a respiração ficar difícil. São aquelas que só de olhar de devolvem a coragem, são aquelas que vibram de verdade com as suas vitórias – o brilho delas transpassa na voz, no olhar, naquele intangível êxtase ao te ver digno.

Eu tenho um anjo desses sob a forma de irmã, prova da infinita bondade de Deus, ou do acaso tão perfeito que faz de mim alguém com a maior das sortes. Ela veio com seus olhos azuis, com seus atributos genéticos “socialmente valorizados” tomar para si um pedaço de tudo que era meu. A dignidade que me foi exigida com a chegada dela – ainda um bebê – fez de mim o que sou hoje, para o bem e para o mal.

Lógico que não parou por aí. Eu não era uma criança que sabia lidar com isso, ela estava sempre ali, me forçando a construir um caminho, a construir um papel de irmã mais velha. Desajustada, eu não queria ser responsável, não queria ser exemplo, mas ela estava sempre lá – me olhando com aquele brilho no olho que me assustava – como ela ousava invadir e conhecer a minha alma desse jeito?

Era uma presença se sobrepunha sobre a minha, se misturava, suplicava minha atenção. Afetou cada minuto da minha infância e adolescência, era um tal de lidar com raiva, inveja, amor, ódio, posse, proteção, fraternidade, cumplicidade – tudo isso sem precisar dar nome – tudo era simplesmente vivido e experimentado. Por mais pesada que fosse cada experiência ela não machucava a alma, mesmo nas piores brigas e atritos não ficava sequer rastro de mágoa ou arrependimento. Eu estava perdoada simplesmente por existir, e por mais que eu me atentasse e recitasse tantos fatos sobre ela, nada pesava, ela continuava leve e pura como da primeira vez que a vi.

Ainda que a convivência me ensinasse, foram em todas as dolorosas experiências e fracassos externos que ela crescia. A cada sofrimento que eu enfrentava vinha à consciência o real significado da presença daquela menina de olhos azuis na minha vida, daquela presença intrusa e que fazia parte do que eu era.

Foram nas minhas fraquezas que que as asas delas se mostravam – gigantes, brilhantes e incrivelmente acolhedoras. Uma espécia de telepatia inerente, e independente de estímulo externo (fosse olhar, conversa, gesto) nada era necessário. A simples existência dela me fazia digna. E essa dignidade me fez forte. Não há como agradecer algo assim, nada é capaz de compensar essa sorte. Fui abençoada e pronto.

Não sou capaz de devolver, o máximo que posso fazer é dar sentido à missão dela e me esforçar para ser digna. Uma visão extremamente egoísta sobre a vida dela, como se eu fosse o carma que ela tinha que resolver, mas é como eu me sinto perante isso – não me sinto em dívida, me sinto abençoada pelo divino.

A Bruna é tão perfeita em completar minha vida e me fazer uma pessoa melhor, que não sou capaz de imaginar uma dimensão onde nossas existências não tenham sido planejadas para acontecerem dessa forma. Como alguém tão humana quanto eu seria tão generosa e eficiente em ser e agir exatamente como deveria para me fazer forte e digna se esta não fosse sua missão?

19 de Março, dia dos representantes dos anjos na Terra, dia que nasceu o anjo na minha vida : Bruna Terezinha.

bruhh2

A Dama de Ferro (The Iron Lady)

6 Mar

Esse post é sobre o Filme “A Dama de Ferro“, que me impressionou e surpreendeu muito.

Inicialmente o escolhi por ser com a Meryl Streep e porque ele ficou em evidência por ter levados dois Oscars em 2012, Melhor Atriz e Melhor Maquiagem.

O trabalho da atriz e a maquiagem que a ajudou a compor a personagem foram essenciais, mas o que mais me chamou a atenção e me fez escrever sobre o filme aqui no blog, foi sobre a força e determinação de Margareth Tatcher

Eu já tinha ouvido falar dela nas aulas de História, mas a emoção que veio junto com o filme foi tocante, recomendo fortemente.

A força de buscar o que queremos e ir atrás dos sonhos depende somente de nós mesmos. Depende de acreditar, de se preparar, fazer escolhas, fazer renúncias e seguir firme, independente do que aconteça.

O que é necessário para ir atrás de um sonho está dentro de nós, essa é a grande lição.

Anotei dois diálogos que me tocaram profundamente.

Quando ela foi pedida em casamento:

“Eu nunca vou ser uma dessas mulheres que ficam caladas e bonitas ao lado de seus maridos.
Ou distantes e sozinhas na cozinha lavando a louça.
A vida tem de ser importante.
Além da cozinha, da limpeza e dos filhos.
A vida deve significar mais do que isso.
Não posso morrer lavando uma xícara de chá.”

Quando ela já bem velhinha foi perguntada pelo médico como estava se sentindo, ela disse que as pessoas e o governo se preocupam muito com os sentimentos, quando deveriam preocupar-se com os pensamentos. Ela não queria dizer como estava se sentindo, mas o que estava pensando:

“Cuidado com seus pensamentos pois eles se tornam palavras
Cuidado com suas palavras pois elas se tornam ações
Cuidado com suas ações pois elas se tornam hábitos
Cuidado com seus hábitos pois eles se tornam seu caráter
E cuidado com seu caráter pois ele se torna o seu destino
O que nós pensamos, nós nos tornamos”

O trailer:

 

Também assistiu o filme? Gostou?

Comenta aí! 😉

Sobre heróis

6 Dez

quando eu era pequena [ de idade, não no tamanho] costumávamos viajar muito, meu pai trabalhava no banco e mudávamos muito de cidade. sempre íamos visitar minha avó, era uma viagem, e uma aventura que eu amava.

meus irmãos eram pequenos, e quem ia no banco da frente do carro com o meu pai era eu.  aquilo fazia eu me sentir grande.

e era tanta coisa, tanta vida que passava e vivia naquele banco da frente tão amado…
desde incontáveis e intermináveis perguntas sobre tudo e com todos os porquês adjacentes. e ele respondia todas, inventava muitas delas, colocava mais cor na realidade… e ser feliz parecia natural e fácil demais.
meu pai era meu herói e o senhor de todo o conhecimento do mundo, eu achava que ele sabia do que eram todas as árvores do mundo e de que pássaro eram todo os cantos de passáros do mundo.

às vezes meu pai apagava todos os faróis só pra gente ver a infinidade de estrelas no céu, era a coisa mais linda do mundo… e a gente via até mesmo estrela cadente, e naquela época eu não tinha muito o que pedir –  tinha que fazer um desejo mas a verdade é que eu tinha tudo, não tinha o que pedir [ que meu pai e minha mãe vivessem pra sempre, talvez].

grande parte do tempo de viagem era de silêncio também, e era o silêncio menos solitário de todos que já vivi na minha vida. estar ali, no banco da frente, vendo a estrada e ouvindo as músicas do meu pai eram os momentos mais felizes que já passei na vida
a gente ouvia muita música que eu não entendia a letra, mas gostava,  na verdade o que eu gostava mesmo era de estar ali…

até hoje, pai, quando eu escuto essas músicas eu lembro do presente que o senhor me deu a cada minuto que passei naquele banco da frente.

 

 

um grande beijo pai! pq eu acho que herói é aquele que está de verdade ao nosso lado, são esses que valem a pena 😉

 

A manteiga do cacau ou “do the evolution”

19 Maio


Esse post é para registrar várias coisas que tenho pensado nos últimos tempos, é um post doidinho, meio bagunçado, meio misturando coisas, é para mim, para que eu possa organizar meus sentimentos em palavras e guardar ele por aqui…

Algumas vezes, quando o cansaço físico se junta ao mental, costumo sentir meu espírito se encolher…como se ele não concordasse com o ritmo e rumo que dou pra minha própria vida…

Costumo pensar em meus solitários olhares pelas janelas –  janela do ônibus em meus trajetos (casa.sp-trabalho-kungfu-casa.avare), janelas do meu apartamento – se o que tenho vivido da minha vida é realmente o que eu quero pro resto da dela…porque na verdade esse resto já começou faz um tempo, acontece agora, e existirá ainda por um tempo (talvez curto demais).

Aos meus 16 anos eu queria era fazer alguma coisa para mudar o rumo das coisas na Terra, sério, eu queria ao menos contribuir. Me cortava o coração estudar sobre como a Mata Atlântica havia sumido do mapa e qual era o destino inevitável de todas as matas do mundo. Naquela época eu queria fazer faculdade de Ecologia.

Fiz vários testes vocacionais  (era moda aquela época, ou talvez seja sempre pra quem tem 16 anos). Lembro que eles costumavam dizer que eu tinha que ser jornalista, na verdade os resultados eram genéricos…para uma menina que gostava de ler e não gostava de números, não lhe cabia muitas opções. Em um desses testes, o exercício era pegar várias revistas e trazer as coisas que mais chamassem atenção, uma das coisas que levei foi uma foto linda de uma arara.

Até procurei a foto exata, mas não achei..era uma arara vermelha clicada no exato momento que estava sendo picada por um mosquito da malária. Acabei sendo convencida de que o que me interessava era o ato de registrar uma foto daquelas e não o desenvolvimento de uma doença numa ave silvestre. Os argumentos lógicos me convenceram, embora meu coração sempre ficasse apertado por me ver incapaz de fazer algo útil por aquelas aves…

Não me tornei ecologista, nem jornalista. Sou bibliotecária e hoje trabalho onde precisa-se de trabalho, teria sido assim, não importa qual faculdade eu tivesse feito. Eu gosto do que faço, não é essa a questão, só me sinto às vezes engolida pelo sistema. Completamente integrada ao emaranhado da realidade contemporânea…perfeitamente encaixada. Um encaixe tão perfeito que chega a incomodar.

Conversando com uma amiga esses dias ela achou o máximo quando eu disse “Se eu não trabalhasse, precisaria de menos dinheiro do que preciso”, uma conclusão óbvia, é preciso muito dinheiro  para se manter trabalhando…. ter, vestir-se, comer, estudar, morar, locomover-se, necessidade que seriam diferentes, se não trabalhássemos.

Passei pra ela um vídeo que assisti esses dias “A história das coisas”. Achei ótimo. Exatamente a inquietação que sinto ao consumir, por exemplo, uma MANTEIGA DE CACAU… Quantas coisas, pessoas, processos e produtos para que eu possa usar uma manteiga de cacau, um batom diferente pra proteger do frio…já perdi conta de quantas manteigas de cacau já tive na vida…o que acontece com todas essas embalagens? Esse cacau que usei fez falta em algum lugar?

Esse post pode parecer sem nexo…são apenas meus sentimentos de desencaixe do mundo e da maneira como ele funciona. Faço parte do sistema, contribuo para que ele continue sendo como é. Mesmo assim, desejo fazer o mínimo para que as coisas sejam diferentes, ou ao menos deixar que meu espírito expresse sua insatisfação com o mundo, as coisas e as pessoas (inclusive eu mesma).

Um outro vídeo que me chamou a atenção foi este “Children see, children do“, genial. Qualquer ser humano, de qualquer parte do planeta pode ver e entender.

Será que vivemos de acordo com o que queremos? Será que nossas ações condizem com que acreditamos? Eu tenho minhas dúvidas à respeito, as vezes me sinto fora do lugar…

Não…eu não quero comprar outro óculos de sol, só porque o meu é do ano retrasado, não quero definitivamente passar por cima dos meus princípios e da minha saúde para ganhar mais dinheiro. Não quero conviver com gente de energia ruim…e sempre que tiver opções, tentarei viver de acordo com isso.

A imagem do começo do post é do clipe da música Do the evolution, do Pearl Jam

——————–

Por último…um vídeo de uma professora justificando uma greve, lá no Rio Grande do Norte. O que tem isso tem a ver com você?

————–

Atualização[Fev.2012]:

Tive conhecimento de uma teoria altamente conspiratória, mas ao mesmo tempo bem lógica se pararmos para pensar, a “Obsolescência programada” ou a de que tudo que é produzido já é produzido com data para acabar.

Além de sermos influenciados pela moda e pela mídia para que continuemos sempre comprando, talvez seja até mesmo uma feature do produto ser algo com fim determinado.

Para mais detalhes http://blogs.estadao.com.br/link/programado-para-morrer-2/

Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir. ~ Dalai Lama

27 Jan

“Dê mais às pessoas, mais do que elas esperam, e faça com alegria.

Decore seu poema favorito.

Não acredite em tudo que você ouve, gaste tudo o que você tem e durma tanto quanto você queira.

Quando disser “Eu te amo” olhe as pessoas nos olhos.

Fique noivo pelo menos seis meses antes de se casar.

Acredite em amor à primeira vista.

Nunca ria dos sonhos de outras pessoas.

Ame profundamente e com paixão.

Você pode se machucar, mas é a única forma de viver a vida completamente.

Em desentendimento, brigue de forma justa, não use palavrões.

Não julgue as pessoas pelo seus parentes.

Fale devagar mas pense com rapidez.

Quando alguém perguntar algo que você não quer responder, sorria e pergunte: “Porque você quer saber?”.

Lembre-se que grandes amores e grandes conquistas envolvem riscos.

Ligue para sua mãe.

Diga “saúde” quando alguém espirrar.

Quando você se deu conta que cometeu um erro, tome as atitudes necessárias.

Quando você perder, não perca a lição.

Lembre-se dos três Rs: Respeito por si próprio, respeito ao próximo e responsabilidade pelas ações.

Não deixe uma pequena disputa ferir uma grande amizade.

Sorria ao atender o telefone, a pessoa que estiver chamando ouvirá isso em sua voz.

Case com alguém que você goste de conversar. Ao envelhecerem suas aptidões de conversação serão tão importantes quanto qualquer outra.

Passe mais tempo sozinho.

Abra seus braços para as mudanças, mas não abra mão de seus valores.

Lembre-se de que o silêncio, às vezes, é a melhor resposta.

Leia mais livros e assista menos TV.

Viva uma vida boa e honrada. Assim, quando você ficar mais velho e olhar para trás, você poderá aproveitá-la mais uma vez.

Confie em Deus, mas tranque o carro.

Uma atmosfera de amor em sua casa é muito importante. Faça tudo que puder para criar um lar tranquilo e com harmonia.

Em desentendimento com entes queridos, enfoque a situação atual.

Não fale do passado.

Leia o que está nas entrelinhas.

Reparta o seu conhecimento. É uma forma de alcançar a imortalidade.

Seja gentil com o planeta.

Reze. Há um poder incomensurável nisso.

Nunca interrompa enquanto estiver sendo elogiado.

Cuide da sua própria vida.

Não confie em alguém que não fecha os olhos enquanto beija.

Uma vez por ano, vá a algum lugar onde nunca esteve antes.

Se você ganhar muito dinheiro, coloque-o a serviço de ajudar os outros, enquanto você for vivo.

Esta é a maior satisfação de riqueza.

Lembre-se que o melhor relacionamento é aquele em que o amor de um pelo outro é maior do que a necessidade de um pelo outro.

Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir.

Lembre-se de que seu caráter é seu destino.

Usufrua o amor e a culinária com abandono total. “

Dalai Lama


Este é um texto lindo do Dalai Lama, e sim ele tem twitter e milhares de seguidores.

%d bloggers like this: