Archive | Outubro, 2010

Eu quero a sina de um artista de cinema

29 Out

quer ouvir primeiro?

Eu quero a sina de um artista de cinema
Eu quero a cena onde eu possa brilhar
Um brilho intenso, um desejo, eu quero um beijo
Um beijo imenso, onde eu possa me afogar

..Beijo imenso...

..Beijo imenso…

Eu quero ser o matador das cinco estrelas
Eu quero ser o Bruce Lee do Maranhão
A Patativa do Norte, eu quero a sorte
Eu quero a sorte de um chofer de caminhão
Pra me danar por essa estrada, mundo afora, ir embora

…Estrada…

Sem sair do meu lugar
Pra me danar, por essa estrada, mundo afora, ir embora
Sem sair do meu lugar
Ser o primeiro, ser o rei, eu quero um sonho
Moça donzela, mulher, dama, ilusão

..Ilusão…

Na minha vida tudo vira brincadeira
A matinê verdadeira, domingo e televisão
Eu quero um beijo de cinema americano

..Beijo de Cinema Americano...

..Beijo de Cinema Americano…

Fechar os olhos fugir do perigo
Matar bandido, prender ladrão
A minha vida vai virar novela
Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela
Eu quero o mar e o sertão
Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela

amor

 

O filme “Lisbela e o Prisioneiro” é uma graça…doce e divertido – trailer. Assisti faz um bom tempo… Essa é a letra de uma das músicas do filme, a composição é do Caetano.

Mas você simplesmente não encontra essa versão na internet, apenas com Los Hermanos cantando…

Tá…não é ruim..mas não chega aos pés do próprio Caetano Cantando, por isso eu subi ela na net e está nesse link, é só clicar e ouvir…e pode baixar também! 😉

LINK — >   Caetano Veloso cantando \”Lisbela\”

…Como foi possível notar, eu salvei também o áudio no meu tumblr

——————–Atualização do post em 26.08.2012————————

Encontrei dois vídeos no youtube com o caetano cantando *_*

O que é Arquitetura de Informação?

20 Out



Vira e mexe eu me deparo com a dificuldade que é explicar no que eu me formei…e mais ainda no que eu trabalho.

Não adianta… as pessoas nunca vão achar que quem fez biblioteconomia pode trabalhar com alguma coisa que não seja livro, enfim…eu não fazia ideia do que era esse curso antes de começar a fazê-lo, nem que essa profissão poderia ser tão interessante, não existe algo do tipo nos testes de vocação…ninguém quer ser bibliotecário quando crescer…mas eu adorei ter me tornado uma.

Eu ainda me considero uma bibliotecária, ainda que não tenha livros deliciosos perto de mim, o meu “cargo” é “arquiteta de informação” e isso é uma coisa igualmente difícil de explicar.

Vou logo avisando – este não é um post para os super antenados e bem formados arquitetos de informação, é apenas um post onde vou colocar as referências que me trouxeram a este universo e ajudam a formar o meu conceito sobre ele, é um texto para não-bibliotecários e não-arquitetos, ao menos intencionalmente…

Eu considero arquitetura de informação um mundinho dentro do mundão que é a biblioteconomia, ainda que a extrapole, não nego minha parcialidade na coisa…o primeiro contato que tive com a palavra ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO foi no livro “Ansiedade de Informação” de Richard Wurman, aqui tem um artigo bem interessante (não acadêmico) sobre ele.

De cara eu gostei porque era um livro bem doido: não é preciso ler na sequência, e o sumário é um resumão-introdução. Me lembrou um livro que li quando criança e amei…chamava “Anéis de Saturno”, e no fim de cada capítulo você tinha que tomar uma decisão pelo personagem, dependendo da decisão, ele te levava para um capítulo ou outro…acho que foi minha primeira experiência hipermidiática (tá eu não sei se existe essa palavra :P)…nunca mais achei esse livro…mas na minha memória ele ficou!

Enfim, o livro do Wurman colocava uma nova forma de ver a informação, e principalmente de como torná-la compreensível. Depois disso tive uma professora, a Marilda, que sempre trazia conceitos dessa área, com o fio de ariadne, topic maps…todos que preciso estudar mais…

Quanto mais trabalho com arquitetura, mais vejo muitos outros conceitos biblioteconômicos aplicáveis à arquitetura de informação, não é por acaso que os outros precurssores – e considerador fundadores da área – Peter Morville e Louis Rosenfeld,  sejam bibliotecários. São autores do Information Architecture for the World Wide Web – o livro do urso polar  que eu ainda não li inteiro – e fundadores do IA Institute. Aqui um artigo sobre os caras e o livro.

Tem muita coisa..mas pra mim, o básico, o início de tudo é isso.

Pra sair um pouco do papo pesado, tem um vídeo que explica o que somos, que gosto muito… IAs are like Robin Hood. Coloco ele aqui também:

“Arquitetura de informação, pra mim, é pura biblioteconomia…só o suporte que muda…o que fazemos é organizar conteúdo..em vez de suporte físico…suporte web, em vez de disposição para leitura física e linear, é leitura online…apenas…mas é a mesma coisa…

O que muda é que é muita informação, que tem que estar a vista de uma vez, fazer com que sejam necessários poucos cliques, fazer com q tenha coerencia, hierarquia..enfim…e mexemos com um programa que chama axure, para fazer wireframes, mas eles podem ser feitos até mesmo no papel, é como pegar muitos livros, classifica-los, trata-los e dispor visualmente..só q não são livros, são conteúdos de uma página na internet.”

(eu, um tempo atrás tentando explicar para uma amiga bibliotecária de biblioteca tradicional o que era arquitetura de informação)

PS´s

O que não falta é site e arquiteto de informação com bom blog e boas explicações do que é AI…segue uma lista de alguns que pessoalmente aprecio…

Wikipedia

Web Librarian

Usabilidoido

Bibliotecários sem fronteiras

Arquitetando

Arquitetura de Informação

Minhas listas:

Sigo alguns arquitetos no twitter…

Salvo MUITOS links no delicious…

…mas é só talvez…

15 Out

carinho

…Talvez o amor seja algo do tipo quando você se sente elogiada até mesmo quando foi uma piada boba…

…Ou quando você sabe que o seu dia vai ser feliz pelo simples fato de que vai ver aquela pessoa…

…Quando você quer saber o sentido exato de cada palavra e a dimensão de cada sentimento…

…Quando você sabe diferenciar as bochecas vermelhas na pele morena e o sorriso sem graça, e, ainda que você tente fazê-la se sentir a vontade, você acha o máximo ter provocado aquilo tudo e acaba ficando desconcertada também….

…Ou pode ser quando você se pega pensando nas expressões e na voz dela, mas não se lembra exatamento do que era…ficou só imagem e som, o conteúdo…nem importa….

…Quando vc tem no coração a certeza de que poderia passar o resto da vida ao lado dela…

…E você põe a felicidade dela muito acima dos seus – meus – próprios desejos…

Mas é só talvez

(original no meu tumbrl)

“Uma longa caminhada começa sempre pelo primeiro passo.”

7 Out

Sei um pouco sobre muita coisa, mas sempre pouco sobre cada coisa.

Sempre tive uma fascínio pelo oculto, pela espiritualidade, por histórias bonitas e sofridas…daí meu interese quando criança pelos santos e mártires.

Sou de uma família católica, eu gostava da igreja, não da missa…não dos dogmas…eu gostava de saber sobre a vida de Jesus, dos santos, gostava de ouvir coisas bonitas da bíblia, gostava de ver a arte, as paredes, os vitrais, do geladinho dentro das igrejas, do cheiro de rosa, do cheiro de incenso, energia positivia sempre me puxava como um imã.

Eu quis começar o catecismo antes da idade certa (eu já era adiantada na escola também), e era muito aplicada…ainda que…desde a primeira aula eu questionasse muitas coisas…e ouvia sempre “é o mistério”…naquela época eu não entendia direito o que era esse tal de “mistério”.

Enfim…anos depois…conheci muitas outras religiões, sempre tentei aprender com todas elas, já passei da fase de preconceitos…e acredito que onde tem intenção e energia boa, onde nosso coração se aquece é onde tem espiritualidade…e isso basta.

O que eu gostava muito de ouvir era a história dos santos…não sei até que ponto era verdade ou mentira…mas eram lindas…e me cativavam…e me acompanham até hoje.

Alguns anos atrás, estava em casa em Avaré no fim de semana, largada no sofá…nada na TV e começou o filme da Madre Teresa de Calcutá. O que eu me lembrava dela era algumas imagens dela bem velhinha, e aquela frase linda:

” A paz começa sempre com um sorriso”

 

Mother Teresa in Calcutta

 

—————————————————————————————————————

Enfim…o filme começou e aí, pode não ser uma super produção, mas é tocante…belíssimo. Ouvi muitas coisas bonitas e uma história de uma mulher forte e determinada, que literalmente entregou sua vida para ajudar outras pessoas…não quero entrar no mérito de religiões, mas pessoas como ela, certamente fogem do comum, se beatas, santas, mártires, não importa o nome, são seres iluminados e com AMOR e CARIDADE dentro de si.

Guiada por uma fé e generosidade sem tamanho, enfrentado oposição de todo o tipo, ela deixou as fronteiras de um convento e foi – literalmente – para o meio do povo, amar e ajudar os que precisavam. Boa parte do filme mostra a missão na Índia. Ela começou praticamente do nada, praticamente sozinha…quando alguém perguntou se ela achava que ia chegar muito longe sem ajuda do governo, das pessoas da cidade, e da própria igreja, ela disse

“Uma longa caminhada começa sempre pelo primeiro passo.”
 

 

primeiro passo

 


Pesquisando depois vi que talvez essa frase seja de Lao Tsé, o que importa foi o contexto…ela não desanimou, apenas seguiu o que acreditava. Ás vezes desistimos perante coisas tão pequenas, cada passo é importante, cada detalhe…a vida não é divertida e animadora o tempo todo…temos de esperar e não desanimar, apenas fazer a nossa parte e ter fé…
—————————————————————————————————————
Um outro texto bem bonito:
“Muitas vezes, as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as, assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil, assim mesmo.
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros.
Vença, assim mesmo.
Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto, assim mesmo.
O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra.
Construa, assim mesmo.
Se você tem Paz e é Feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja Feliz, assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante.
Dê o melhor de você, assim mesmo.
Veja você que, no final das contas, é entre você e Deus.
Nunca foi entre você e as outras pessoas”.

—————————————————————————————————————
O filme é de 2003, “Mother Teresa of Calcutta”, segue o trailler:
—————————————————————————————————————
Encontrei aqui e aqui algumas outras frases dela.
E por fim…o objetivo de quem escreve, de quem vive e deseja um mundo melhor:
“Senhor,
Permite-me que, quando algém falar comigo,
ao se afastar de minha presença
tenha se tornado uma pessoa melhor”.
Madre Teresa

Sobre armas I

1 Out

o-reino-proibido

Certa vez um professor da faculdade disse que o conhecimento consistia mais em fazer ligações entre as coisas do que propriamente se aprofundar num assunto específico…outros professores diziam a mesma coisa, com palavras diferentes.

O fato é que depois disso, nos trabalhos acadêmicos, eu tentava buscar relação entre o conceito que eu lia e alguma outra vivência minha, outra coisa que havia lido, assistido, escutado…eles costumavam chamar isso de intertextualidade. No fim das contas, acabei adquirindo esse hábito…é natural quando aprendemos uma coisa nova buscarmos relação naquele conhecimento que já temos. É óbvio…mas o pensamento óbvio não deve ser ignorado, só é óbvio aquilo que tem lógica perfeita.

Nelson Rodrigues disse “Só os profetas enxergam o óbvio”. Nesses tempos li algum texto, onde o autor (acredito que Bruce, mesmo), dizia que quando ele falava de uma ideia nova pra alguém e diziam “Claro! Isso é óbvio, não sei como não pensei nisso antes.”, ele ficava feliz, pois era sinal de que sua ideia era perfeitamente inteligível por outra pessoa.

Enfim, sem mais demoras nesse assunto, já que o tópico é outro…Vi um vídeo hoje na TV de um ciclista fazendo manobras incríveis…

Quando eu vi…pensei… Essa bicicleta parece parte do corpo do cara…

Esse mês completo um ano de kungfu, estou na transição de uma faixa pra outra, mas o mais importante nesse tempo não são as faixas que acumulei, e sim que o cresceu e evoluiu dentro de mim.

Uma coisa que brilhou meus olhos no meu primeiro dia de Kungfu foi o Antonio dizendo ” O kungfu é arte marcial que tem mais armas”, e eu ficava cada vez mais encantada com cada demonstração que via de armas. Ouvi muitas vezes os instrutores e o mestre dizer – “quando vc usa uma arma, ela se torna extensão do seu corpo“…para que o movimento seja natural, ela precisa ser uma prolongação do nosso corpo, assim como era a bicicleta para Danny MacAskill.

É bem mais fácil pra mim por todo esse pensamento em palavras aqui no blog do que praticá-lo durante os treinos…mas acredito que a consciência das coisas é o primeiro passo para o aprendizado.

Agora…uma cena do belíssimo clássico “O Tigre e o Dragão” … Vale muito a pena ver o filme inteiro quem ainda não conhece…é de tocar o coração do começo ao fim…pelo roteiro, pela beleza do cenário, da interpretação dos atores, das frases e das lutas (pra quem gosta).

Esse ano foi feito um remake de Karate Kid, dessa vez era Kungfu, com Jaden Smith e Jackie Chan. O filme é pra crianças…mas é prato cheio pra quem gosta de artes marciais e pra ver paisagens da China. O legal é ver Dre Parker (Jaden Smith) descobrindo o Kungfu com a ajuda de Mr. Han (Jackie Chan).

Na super produção de James Camerom “Avatar“, também de 2010, os nativos de Pandora, Na’vi, tinham uma habilidade de conexão com a natureza, aí tanto animais quanto plantas, onde se fundiam e agiam como um só. O filme é legal pelos efeitos especiais (foi o primeiro que assisti em 3D) e pela mensagem de “salve o planeta”, ainda que a história seja bem batida…

Vou deixar outros dois vídeos …

Um comercial da Nokia com em homenagem ao Bruce Lee

E a apresentação de um artista marcial num campeonato de Kungfu

Por hoje é isso…Apenas a visão de uma iniciante no Kungfu, apaixonada pela arte e todas as suas conexões…

Quem tiver filmes pra indicar, por favor…comente!

Michelle Yeoh in "The Mummy: Tomb of the Dragon Emperor"

%d bloggers like this: