Tag Archives: frases

Sobre Anjos II

19 Mar

images (1)

Esse post quase foi sobre almas gêmeas, mas aí ficou sobre anjos mesmo.

Tenho duas imagens sobre anjos dentro de mim: aquele anjo que protege (anjo da guarda) e o anjo que existe para te fazer digno. Digno de possuir a vida que ganhou de presente (ou de carma).

Anjos deixaram de ser criaturas distantes, celestiais, preservadas sob a áurea do divino. Talvez eles ainda sejam essas criaturas – se quiser ver o lado mágico da coisa – mas eles se vestem de um material tão mortal e tão humano quanto nós, mas com uma missão especial: tirar o melhor de nós, despertar o divino latente dentro da gente.

Imagino que cada um desses anjos tenha uma abordagem : alguns são disfarçados de monstros – tem a cara feia, dão arrepio mas ao mesmo tempo nos atraem de uma maneira misteriosa. Por mais dolorosa que seja a passagem desses anjos na nossa vida, eles nos obrigam a aprender, levantar, trabalhar nossos sentimentos, e no fim, depois que eles passam por nossas vidas nunca mais somos os mesmos. A pérola é fruto do sofrimento, também nós podemos aproveitar uma experiência ruim e apropriarmos de algo único, pessoal e intransferível: a experiência humana.

Tanta volta para chegar ao ponto que quero: um desses tipos de anjos – aqueles cuja existência quase se confunde com o significado da nossa.

É uma variação do anjo da guarda, mas que, devido às nossas necessidades assumem papéis diferenciados – algumas vezes afagam, elogiam, cuidam, zelam e outras provocam, repreendem, brigam e até desprezam.

Parece contraditório , mas esses anjos vão assumir a forma – ou papel – que for necessária para nos forçar a ser o melhor que conseguimos, essa é a missão deles. Quanto mais sublime nosso processo de transformação em seres dignos, mais eles alongam suas asas e mostram as dádivas divinas que são.

Você deve conhecer pessoas assim também, são pra elas que você corre na hora que a coisa aperta, quando o nó chega na garganta e faz a respiração ficar difícil. São aquelas que só de olhar de devolvem a coragem, são aquelas que vibram de verdade com as suas vitórias – o brilho delas transpassa na voz, no olhar, naquele intangível êxtase ao te ver digno.

Eu tenho um anjo desses sob a forma de irmã, prova da infinita bondade de Deus, ou do acaso tão perfeito que faz de mim alguém com a maior das sortes. Ela veio com seus olhos azuis, com seus atributos genéticos “socialmente valorizados” tomar para si um pedaço de tudo que era meu. A dignidade que me foi exigida com a chegada dela – ainda um bebê – fez de mim o que sou hoje, para o bem e para o mal.

Lógico que não parou por aí. Eu não era uma criança que sabia lidar com isso, ela estava sempre ali, me forçando a construir um caminho, a construir um papel de irmã mais velha. Desajustada, eu não queria ser responsável, não queria ser exemplo, mas ela estava sempre lá – me olhando com aquele brilho no olho que me assustava – como ela ousava invadir e conhecer a minha alma desse jeito?

Era uma presença se sobrepunha sobre a minha, se misturava, suplicava minha atenção. Afetou cada minuto da minha infância e adolescência, era um tal de lidar com raiva, inveja, amor, ódio, posse, proteção, fraternidade, cumplicidade – tudo isso sem precisar dar nome – tudo era simplesmente vivido e experimentado. Por mais pesada que fosse cada experiência ela não machucava a alma, mesmo nas piores brigas e atritos não ficava sequer rastro de mágoa ou arrependimento. Eu estava perdoada simplesmente por existir, e por mais que eu me atentasse e recitasse tantos fatos sobre ela, nada pesava, ela continuava leve e pura como da primeira vez que a vi.

Ainda que a convivência me ensinasse, foram em todas as dolorosas experiências e fracassos externos que ela crescia. A cada sofrimento que eu enfrentava vinha à consciência o real significado da presença daquela menina de olhos azuis na minha vida, daquela presença intrusa e que fazia parte do que eu era.

Foram nas minhas fraquezas que que as asas delas se mostravam – gigantes, brilhantes e incrivelmente acolhedoras. Uma espécia de telepatia inerente, e independente de estímulo externo (fosse olhar, conversa, gesto) nada era necessário. A simples existência dela me fazia digna. E essa dignidade me fez forte. Não há como agradecer algo assim, nada é capaz de compensar essa sorte. Fui abençoada e pronto.

Não sou capaz de devolver, o máximo que posso fazer é dar sentido à missão dela e me esforçar para ser digna. Uma visão extremamente egoísta sobre a vida dela, como se eu fosse o carma que ela tinha que resolver, mas é como eu me sinto perante isso – não me sinto em dívida, me sinto abençoada pelo divino.

A Bruna é tão perfeita em completar minha vida e me fazer uma pessoa melhor, que não sou capaz de imaginar uma dimensão onde nossas existências não tenham sido planejadas para acontecerem dessa forma. Como alguém tão humana quanto eu seria tão generosa e eficiente em ser e agir exatamente como deveria para me fazer forte e digna se esta não fosse sua missão?

19 de Março, dia dos representantes dos anjos na Terra, dia que nasceu o anjo na minha vida : Bruna Terezinha.

bruhh2

O Menino que Carregava Água na Peneira

15 Mar
Imagem
 
Gente, hoje recebi uma notícia boa, mas assim como a supertição de grávida – só compartilho com o “mundo” quando rolar de verdade.
 
Recebi essa poesia de uma tia (jovem) que mora longe, era de ontem, dia da poesia.
 
Mas é tudo que faz meu coração vibrar: poesia, vazio, palavras
 
O Menino que Carregava Água na Peneira
Manuel de Barros
 
Tenho um livro sobre águas e meninos.
Gostei mais de um menino
que carregava água na peneira.

 

A mãe disse que carregar água na peneira
era o mesmo que roubar um vento e
sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.

 

A mãe disse que era o mesmo
que catar espinhos na água.
O mesmo que criar peixes no bolso.

 

O menino era ligado em despropósitos.
Quis montar os alicerces
de uma casa sobre orvalhos.

 

A mãe reparou que o menino
gostava mais do vazio, do que do cheio.
Falava que vazios são maiores e até infinitos.

 

Com o tempo aquele menino
que era cismado e esquisito,
porque gostava de carregar água na peneira.

 

Com o tempo descobriu que
escrever seria o mesmo
que carregar água na peneira.

 

No escrever o menino viu
que era capaz de ser noviça,
monge ou mendigo ao mesmo tempo.

 

O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
E começou a fazer peraltagens.

 

Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.
O menino fazia prodígios.
Até fez uma pedra dar flor.

 

A mãe reparava o menino com ternura.
A mãe falou: Meu filho você vai ser poeta!
Você vai carregar água na peneira a vida toda.

 

Você vai encher os vazios
com as suas peraltagens,
e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos!
……………………………………………………………..
Vídeo

O bom design

29 Jan

Na minha vida profissional, sempre me deparei com essa questão: O que é um bom design?

Vendo esse vídeo sobre o novo Design do Google tirei a que, para mim, é a melhor definição de bom design

Todos os créditos vão para o diretor de UX Android: Matias Duarte

Design is not just about make things more useful
Is not just about make things more beautiful
its about really figuring out what is the right thing to make
and how to make it right

Tradução livre:

Design não é apenas sobre utilidade 
Não é apenas sobre fazer as coisas mais belas 
Mas sim sobre descobrir qual a coisa certa a ser feita 
e como fazer isso da maneira certa 

O vídeo na íntegra

How Google fixed its design process and started making beautiful apps

Um bibliotecário chamado Lewis Carroll

12 Mar
 
Pois é pessoal, nem mesmo o artigo de Lewis Carroll no Wikipedia PT sabia, mas o autor de Alice no País das Maravilhas foi também BIBLIOTECÁRIO.
Esse post é uma homenagem pelo 12 de Março, dia dos Bibliotecários. Sabemos que não é nada fácil ser bibliotecário nesse mundo de hoje, e nem devia ser na época de Lewis, afinal quase ninguém poucos sabiam disso.

O  autor de Alice no País das Maravilhas, Charles Lutwidge Dodgson,  cresceu em Cheshire e Yorkshire, na Inglaterra. Após graduar-se em matemática em Oxford, tornou-se o bibliotecário auxiliar da Christ Church. Deixou este cargo em 1857 para tornar-se um conferencista de matemática.

“Alice: Quanto tempo dura o eterno?
Coelho: As vezes apenas um segundo.
(Alice no País das Maravilhas)

Mas a vocação do moço estava no mundo das artes, ele contou a história de Alice pela primeira vez para as três filhas do Deão da Christ Church em 1862.

“Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui?
Isso depende muito de para onde queres ir – respondeu o gato.
Preocupa-me pouco aonde ir – disse Alice.
Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas – replicou o gato.”

Lewis Carroll

E hoje muitos bibliotecários disseminam o clássico, sem saber que foi o grande autor já foi também um dos nossos 😉
Clássico que é Clássico tem várias leituras e versões… é a boa história que é contada de várias maneiras, prato cheio para os bibliotecários cuja parte da missão é propagar o legado cultural da humanidade à TODOS!
——————————–
Fonte / Links

A Dama de Ferro (The Iron Lady)

6 Mar

Esse post é sobre o Filme “A Dama de Ferro“, que me impressionou e surpreendeu muito.

Inicialmente o escolhi por ser com a Meryl Streep e porque ele ficou em evidência por ter levados dois Oscars em 2012, Melhor Atriz e Melhor Maquiagem.

O trabalho da atriz e a maquiagem que a ajudou a compor a personagem foram essenciais, mas o que mais me chamou a atenção e me fez escrever sobre o filme aqui no blog, foi sobre a força e determinação de Margareth Tatcher

Eu já tinha ouvido falar dela nas aulas de História, mas a emoção que veio junto com o filme foi tocante, recomendo fortemente.

A força de buscar o que queremos e ir atrás dos sonhos depende somente de nós mesmos. Depende de acreditar, de se preparar, fazer escolhas, fazer renúncias e seguir firme, independente do que aconteça.

O que é necessário para ir atrás de um sonho está dentro de nós, essa é a grande lição.

Anotei dois diálogos que me tocaram profundamente.

Quando ela foi pedida em casamento:

“Eu nunca vou ser uma dessas mulheres que ficam caladas e bonitas ao lado de seus maridos.
Ou distantes e sozinhas na cozinha lavando a louça.
A vida tem de ser importante.
Além da cozinha, da limpeza e dos filhos.
A vida deve significar mais do que isso.
Não posso morrer lavando uma xícara de chá.”

Quando ela já bem velhinha foi perguntada pelo médico como estava se sentindo, ela disse que as pessoas e o governo se preocupam muito com os sentimentos, quando deveriam preocupar-se com os pensamentos. Ela não queria dizer como estava se sentindo, mas o que estava pensando:

“Cuidado com seus pensamentos pois eles se tornam palavras
Cuidado com suas palavras pois elas se tornam ações
Cuidado com suas ações pois elas se tornam hábitos
Cuidado com seus hábitos pois eles se tornam seu caráter
E cuidado com seu caráter pois ele se torna o seu destino
O que nós pensamos, nós nos tornamos”

O trailer:

 

Também assistiu o filme? Gostou?

Comenta aí! 😉

Bruce Lee II – sobre determinação e limites

22 Mar

Desde meu primeiro post sobre o mestre Bruce Lee, tenho estudado sobre ele.

Criei um tumblr, o Bruce Lee Facts, que cresceu muito… posto e reblogo mais em inglês por lá, são fotos, vídeos e pequenas doses da filosofia do Bruce…a internet reserva recordações preciosas sobre o mito. Criei um twitter também, que posta automaticamente as coisas do Tumblr, o @BruceleeBr .

Acho ele extremamente mais lindo (fisicamente mesmo) que antes, é engraçado, quando você começa a admirar uma coisa, ela se agiganta aos seus olhos…

O que me chama a atenção tanto na filosofia oriental como na do próprio Bruce, é a maneira simples e ao mesmo tempo muito sábia de ver a vida.

Como ele diz, quando você precisa fazer alguma coisa, não perca tempo pensando sobre isso, apenas faça! Tem a célebre resposta dele à algum jornalista sobre certa dificuldade que ele enfrentaria “Ao diabo as circunstâncias, eu crio as oportunidades!”.

Outra coisa era a determinação, não havia limites para Bruce Lee!

Semana passada foi divulgado um manuscrito do Bruce Lee, uma carta dele (talvez para ele mesmo num futuro). Quando escreveu ele tinha 28 anos, e estrelava a série de TV inspirada no  The Green Hornet (BesouroVerde) com o personagem Kato – um remake de 2011 está em cartaz, eu fui ver…gostei dos efeitos especiais, mas em questão de arte marcial mesmo, fica devendo muito.

A carta do Bruce Lee é esta

Transcrição da carta em inglês:

My Definite Chief Aim

I, Bruce Lee, will be the first highest paid Oriental super star in the United States. In return I will give the most exciting performances and render the best of quality in the capacity of an actor. Starting 1970 I will achieve world fame and from then onward till the end of 1980 I will have in my possession $10,000,000. I will live the way I please and achieve inner harmony and happiness.”

Bruce Lee
1969

Tradução

Minha meta principal

Eu, Bruce Lee, serei o super star oriental mais bem pago do Estados Unidos. Em troca, eu farei as mais emocionantes perfomances, sendo um ator da mais alta qualidade. À partir do ano de 1970 vou alcançar fama mundial a partir de então em diante até o final de 1980 eu vou ter na minha posse US $ 10.000.000. Eu vou viver do jeito que eu quiser e conseguir a harmonia interior e alegria.”

Bruce Lee

1969

Kato - Green Hornet (Lanterna Verde)

Kato - Green Hornet (Besouro Verde)

 

Outra coisa que me chamou a atenção foi o relato de um amigo dele sobre o que Bruce Lee pensava sobre os limites. O amigo conta que ele e Bruce costumavam correr 3 milhas todos os dias, um dia já estavam correndo por volta 5 milhas, e ele disse ‘Bruce, estou muito cansado, se eu correr mais posso ter um ataque cardíaco e morrer. E Bruce respondeu “Então morra.” Isso o deixou nervoso que acabou completando as 5 milhas. Depois, ao perguntar para Bruce porque ele tinha feito isso ele respondeu:

“Você poderia estar morto.

Sério,  se você sempre coloca limites no que é capaz de fazer, física ou qualquer outra coisa, ela vai se espalhar para o resto de sua vida.

Ela vai se espalhar para o seu trabalho, em sua moral, em todo o seu ser.

Não há limites.

Existem apenas planaltos, e você não deve ficar lá, deve ir além dele.

Se ele mata você, mate-o antes.

Um homem deve sempre exceder seu nível.”

Por hoje é isso que compartilho com vocês.

Fica de novo o convite para o tumblr!

Arte da guerra na sua vida

28 Dez

Particularmente eu gosto de ler coisas orientais porque, como já disse antes, é uma coisa que abre a cabeça. Tem muita coisa interessante na nossa filosofia, mas a oriental traz conceitos tão diferentes quanto ricos, eu busco sempre tentar encontrar minhas próprias respostas, e por isso, nada melhor que ver a vida sob outros pontos de vista.

Arte da Guerra” é aquele tipo de livro que a gente sabe que vai ter que ler um dia, no meu caso, esse dia chegou quando resolvi comprar pela primeira vez um daqueles livros das máquinas de livros do metrô, a edição não é tão ruim (mesmo eu nunca me satisfazendo com essas traduções).

É um tratado militar escrito no século IV a.c. por Sun Tzu, e sim, ele só fala de guerra e estratégias bélicas, e não há nenhuma nota de editor dizendo “olha como isso tem a ver com o seu dia a dia”, e mesmo assim é possível se fazer muitos paralelos. Eu vou colocar muitas frases aqui, mas não substitui a leitura, pois não é só o que está sendo dito mas todo o contexto e porquês, que nem se eu quisesse eu conseguiria colocar aqui.

Praticamente ele vai descrevendo quais são os caminhos do fracasso e sucesso numa guerra, simples, direto, sem complicações, e vai contando algumas histórias para ilustrar. (todos grifos meus)

“Vencer cem vezes em cem batalas não é o auge da habilidade, mas, sim, subjulgar o inimigo sem precisar lutar.”

Vamos lá…coisa bonita pra se ler e reflertir

“Faça com que soa força seja percebida pelo inimigo como fraqueza, e sua fraqueza como força. Ao mesmo tempo, aja de maneira tal que a força dele se torne fraqueza; assim, descubra onde ele não é realmente tão forte… Esconda suas pegadas de forma que o adversário ou ninguém possa discerni-las; mantenha o silêncio para que o hostil ou ninguém possa ouvi-lo”.

E agora uma bem ao estilo “Be Water, my friend” do Bruce Lee:

“Pode ser chamado de divino quem é capaz de vencer por modificar suas táticas de acordo com a situação inimiga pois, dos cinco elementos, nenhum é sempre predominante; das quatro estações, nenhuma dura para sempre; dos dias, uns são longos e outros curtos, e a lua cresce e míngua.”


Que tal essa pra explicar pro seu chefe, que sem trabalho em equipe vai sempre se estar atrás da concorrência. (por mais recursos e dinheiro que se tenha).

“Sendo o exército confuso e suspeito, os regentes vizinhos serão um permanente problema. Um exército confuso leva o outro à vitória.”

ou

“Um general hábil busca vitória pela situação e não a exige de seus subordinados, sabe selecionar os homens certos e estes exploram a situação.

Essas praqueles momentos que você se sente pressionado a agir sem saber se deve, praqueles que não sabem distinguir covardia de bom senso:

“Será vitorioso aquele que sabe quando pode lutar e quando não pode.”

“Será vitorioso quem sabe quando usar tanto as grandes quanto as pequenas forças.”

“Os habilidosos na guerra podem tornar-se invencíveis, mas não podem causar a vunerabilidade inimiga”

“A invencibilidade reside na defesa; a possibilidade de vitório, no ataque”

Pra um eventual bibliotecário que esteja lendo isso

“Geralmente, não há diferença entre administrar muitos e administrar poucos. Trata-se de uma questão de organização”

E para um eventual arquiteto de informação

“O que é difícil, na arte das manobras, é fazer com que o desvio seja o mais direto possível, transformando o infortúnio em vantagem”.

tem essa também

“Não podem conduzir a marcha de um exército aqueles que não conhecem as condições de montanhas e florestas, desfiladeiros, pântanos e terrenos perigosos. E os que não usam guias locais são incapazes de obter as vantagens do terreno.”

E pra quem se sente com pouca inspiração….aqui uma lição de criatividade:

“São apenas cinco as notas musicais; contudo as melodias que estas produzem são tão numerosas que é impossível ouvir a todas.

São apenas cinco as cores primárias, entretando, as combinações que produzem são tão numerosas que é impossível visualizar a todas.

São apenas cinco os sabores, mas suas misturas são tantas que é impossível provar a todas.

Na batalha, temos situação idêntica:temos somente forças normais e extraordinárias, mas suas combinações não têm limites, ninguém pode compreender a todas.”

É, o livro é uma lição, do tipo… apenas faça, tem tudo que precisa das mãos

“Na batalha, valha-se de uma força normal para o combate e utilize a extraordinária para vencer”.

“Aparente  confusão é produto da boa ordem; aparente covardia, de coragem; aparente fraqueza, de força. Ordem ou desordem dependem de organização; coragem ou covardia, das circunstâncias; força e fraqueza, das disposições.”

E mais filosoficamente

“Há certas estradas que não se deve seguir.”

Sobre auto conhecimento

“…aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, lutará cem batalhas sem perigo de derrota; para aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, as chances para a vitória ou para a derrota serão iguais; aquele que não conhece nem o inimigo e nem a si próprio, será derrotado em todas as batalhas…”


E pra terminar, segundo Sun Tzu, para se atrair a derrota, há seis condições básicas (né)

“- Desdenhar o cálculo da força inimiga

– Ausência de autoridade

– Treinamento ineficaz

– Cólera injustificável

– Desrespeito à disciplina”

Pra quem curte a parte sangrenta da coisa, não é por acaso que Jet Li está  ajudando a ilustrar o post, deixo o trailer do filme “Senhores da Guera” (“The Warlords“) que é o ambiente que imagino que tenha sido o que o Sun Tzu escreveu seu tratado, e um ótimo filme para quem gosta de filmes do tipo.

%d bloggers like this: