Arquivo | Março, 2010

“Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe onde vai.”

26 Mar

Já faz um tempo que quero postar algo sobre o kungfu.

A arte que mudou a minha vida. Definitivamente!

Eu sei, parece exagero, mas não é…

Lendo o post do nosso mestre, o Sifu Gabriel consegui colocar em palavras a sensação única que é aprender Kungfu.

Ainda é difícil pra mim. Eu comecei por questão de saúde e peso, queria me manter magra mas sem ter que ir à academia…Pensei em Muay Tay, Boxe, várias coisas, não queria nada que tivesse que usar kimono.

Feliz coincidência era que a academia mais próxima de casa era a de Kungfu, que eu não fazia ideia do que era. Passei lá e marquei uma aula introdutória…de manhã. Acordar cedo nunca foi fácil pra mim, ainda mais quando não se tem obrigatoriedade, enfim…eu acordei e fui correndo para a academia, consegui chegar lá 8h da manhã em ponto!

Quem disse que pude participar da aula…o instrutor falou que eu ia ter que remarcar. Eu já estava com muita raiva, pq tinha acordado cedo para nada…e aí ele começou a falar da disciplina das artes marciais, do preparo antes de um treino etc etc…Esse instrutor é espetacular, ele tem uma energia incrível, e aquela raiva que eu estava logo passou, como mágica…Como ficar assim perto de uma pessoa com a paz interior que ele transmite? Impossível!

mononoke_wm01

Kungfu

Na outra semana fiz a tal aula introdutória e acabei fechando o contrato de 6 meses. De cara eu gostei porque não precisava usar kimono, não era porrada, não ia me deixar cheia de roxos e a ginástica era puxada…

Não é legal ser faixa branca, vc se sente looser, newbiee seilá…Mesmo achando o kungfu muito dificil eu não parei. Eu nunca na vida tinha feito nada parecido, achava impossível decorar aqueles 24 golpes do fu chin chuan e ainda fazer naquela velocidade…Bom, ao final de 4 meses eu sabia, não só ele todinho como outras coisas também. Tinha muito medo do exame, o simulado foi dificílimo…O mestre pegou pesado, só tinha eu de faixa branca, e errei muito…estava mega nervosa… Acabei fazendo o exame e no dia estava beeem nervosa tb, eu tremia!! Mas consegui, agora sou faixa amarela, a sensação de newbie já era… :D. Tirei 8 em todas as matérias, foi uma conquista incrível pra mim, uma superação!

Além desse ganho físico evidente – fôlego, forma física, força, equilíbrio, vem o ganho mental que é tão bom quanto senão maior ainda.

O kungfu trouxe de volta minha auto estima, minha força. Sofri muito nessa vida, mesmo sendo tão nova, e ultimamente estava me deixando abalar muito fácil, eu achava que a fase boa da minha vida já havia passado… Depois do kungfu minha força ressurgiu em mim, não é qualquer coisa que me derruba, que me tira a alegria, que tira meu entusiasmo diante da vida.

O mestre citou Sêneca e agora eu cito também “Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe onde vai.”

Essa arte trouxe de volta a energia que eu tinha quando era criança e sabia que tinha a vida toda pela frente, tenho coragem de lutar pelos meus sonhos. Não há nada que eu não seja capaz, basta disciplina, força de vontade e a típica persistência (capricornial ou não) está renovada e vive forte dentro de mim mais do que nunca!

Foi o melhor investimento que fiz na minha vida nos últimos tempos. Coincidência ou não, foi muita sorte ter uma tskf perto de casa, onde pessoas admiráveis me ensinam a arte do kungfu! ;D

Só posso agradecer!

Classificação

18 Mar

“Estou atrás do que fica atrás do pensamento.

Inútil querer me classificar: eu simplesmente escapulo.

Gênero não me pega mais.

Além do mais, a vida é curta demais para eu ler todo o grosso dicionário a fim de por acaso descobrir a palavra salvadora.

Entender é sempre limitado. As coisas não precisam mais fazer sentido.

Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível fazer sentido.

Eu não: quero é uma verdade inventada.

Porque no fundo a gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro.”

(Clarice Lispector)


Amor selvagem

2 Mar

Eu moro longe de casa, desde 2004.

Por mais que tenha uma vida e faça muitas coisas aqui em São Paulo, não adianta, minha casa está em Avaré, junto com a minha família…lá é lar.

Sinto saudades, sim…mas choro só por um deles…Zuca!

Dói demais a saudade que eu sinto dela, me dói muito saber que não estou aproveitando a vida dela ao lado dela…

Quando eu chego lá, e ela me recebe com aquela alegria sem tamanho, não tem como não se emocionar…juro..eu gosto demais dessa cachorra…

“Seria possível para um cachorro — qualquer cachorro, mas principalmente um absolutamente incontrolável e maluco como o nosso — pudesse mostrar aos seres humanos o que realmente importava na vida? Eu acreditava que sim. Lealdade. Coragem. Devoção. Simplicidade. Alegria. E também as coisas que não tinham
importância. Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele. E realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que
realmente importa ou não.” (Marley e Eu.)

%d bloggers like this: