Tag Archives: Budismo

Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir. ~ Dalai Lama

27 Jan

“Dê mais às pessoas, mais do que elas esperam, e faça com alegria.

Decore seu poema favorito.

Não acredite em tudo que você ouve, gaste tudo o que você tem e durma tanto quanto você queira.

Quando disser “Eu te amo” olhe as pessoas nos olhos.

Fique noivo pelo menos seis meses antes de se casar.

Acredite em amor à primeira vista.

Nunca ria dos sonhos de outras pessoas.

Ame profundamente e com paixão.

Você pode se machucar, mas é a única forma de viver a vida completamente.

Em desentendimento, brigue de forma justa, não use palavrões.

Não julgue as pessoas pelo seus parentes.

Fale devagar mas pense com rapidez.

Quando alguém perguntar algo que você não quer responder, sorria e pergunte: “Porque você quer saber?”.

Lembre-se que grandes amores e grandes conquistas envolvem riscos.

Ligue para sua mãe.

Diga “saúde” quando alguém espirrar.

Quando você se deu conta que cometeu um erro, tome as atitudes necessárias.

Quando você perder, não perca a lição.

Lembre-se dos três Rs: Respeito por si próprio, respeito ao próximo e responsabilidade pelas ações.

Não deixe uma pequena disputa ferir uma grande amizade.

Sorria ao atender o telefone, a pessoa que estiver chamando ouvirá isso em sua voz.

Case com alguém que você goste de conversar. Ao envelhecerem suas aptidões de conversação serão tão importantes quanto qualquer outra.

Passe mais tempo sozinho.

Abra seus braços para as mudanças, mas não abra mão de seus valores.

Lembre-se de que o silêncio, às vezes, é a melhor resposta.

Leia mais livros e assista menos TV.

Viva uma vida boa e honrada. Assim, quando você ficar mais velho e olhar para trás, você poderá aproveitá-la mais uma vez.

Confie em Deus, mas tranque o carro.

Uma atmosfera de amor em sua casa é muito importante. Faça tudo que puder para criar um lar tranquilo e com harmonia.

Em desentendimento com entes queridos, enfoque a situação atual.

Não fale do passado.

Leia o que está nas entrelinhas.

Reparta o seu conhecimento. É uma forma de alcançar a imortalidade.

Seja gentil com o planeta.

Reze. Há um poder incomensurável nisso.

Nunca interrompa enquanto estiver sendo elogiado.

Cuide da sua própria vida.

Não confie em alguém que não fecha os olhos enquanto beija.

Uma vez por ano, vá a algum lugar onde nunca esteve antes.

Se você ganhar muito dinheiro, coloque-o a serviço de ajudar os outros, enquanto você for vivo.

Esta é a maior satisfação de riqueza.

Lembre-se que o melhor relacionamento é aquele em que o amor de um pelo outro é maior do que a necessidade de um pelo outro.

Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir.

Lembre-se de que seu caráter é seu destino.

Usufrua o amor e a culinária com abandono total. “

Dalai Lama


Este é um texto lindo do Dalai Lama, e sim ele tem twitter e milhares de seguidores.

Amor vs. Medo – o que você sente?

17 Set



AMOR É INCONDICIONAL (medo é condicional)

AMOR É FORTE (medo é fraco)

AMOR DESPRENDE (medo obriga)

AMOR É RENDIÇÃO (medo amarra)

AMOR É HONESTO (medo engana)

AMOR CONFIA (medo suspeita)

AMOR PERMITE (medo ordena)

AMOR ENTREGA (medo detém)

AMOR PERDOA (medo acusa)

AMOR É COMPASSIVO (medo lamenta)

AMOR ESCOLHE (medo evita)

AMOR É BONDOSO (medo é cólera)

AMOR ACENDE (medo provoca)

AMOR APÓIA (medo reprova)

AMOR CRIA (medo nega)

AMOR CURA (medo fere)

AMOR É MAGIA (medo é superstição)

AMOR REVIGORA (medo exaure)

AMOR É ELIXIR (medo é veneno)

AMOR INSPIRA (medo preocupa-se)

AMOR DESEJA (medo inveja)

AMOR É SERENO (medo é nervoso)

AMOR É VALENTE (medo é receoso)

AMOR É DESEMBARAÇADO (medo é tenso)

AMOR É CEGO (medo condena)

AMOR RESPEITA (medo desconsidera)

AMOR ACOLHE (medo rejeita)

AMOR SONHA (medo conspira)

AMOR QUER BRINCA (medo precisa controlar)

AMOR SE DIVERTE (medo padece)

AMOR LIBERTA (medo aprisiona)

AMOR ACREDITA (medo desconfia)

AMOR QUER (medo necessita)


Fonte:

LOVE versus fear: what do you feel?

*Adaptação livre para o português do texto de Saran Nean Bruce, publicado no blog de Tiny Buddha.

Sigam o twitter ou facebook deles, é muito bom ;D.

Blog da Sarah.

Sempre há uma possibilida de mudança

28 Jan

“No budismo, existe muita ênfase em meditar sobre a verdade do sofrimento. Isto pode ser um pouco depressivo, mas quando vemos nossos defeitos claramente também vemos a possibilidade de nos livrar deles. Enxergar nossos defeitos tem muito a ver com nossa capacidade de despertar. Do ponto de vista budista, nenhum erro é impossível de ser mudado. Sempre há uma possibilidade de mudança. O reconhecimento de nossa inteligência humana pode nos ajudar a ter mais segurança ao encarar situações difíceis. Isto é muito importante”. É o que diz Dalai Lama em seu livro Mundos em Harmonia – diálogos sobre a prática da compaixão.

Li esse trecho no artigo “Sentir a dor para poder curá-la” de Bel César.

O budismo é uma coisa que mexe lá no fuunnndo da gente, coloca questões que deixamos de lado, ali, na nossa cara, e mostra o quanto somos mestres na arte de complicar as coisas e pior…Empurrar tudo pra “embaixo do tapete”.

Não é facil olhar no espelho quando estamos vendo o reflexo da nossa alma…Não é facil encarar os defeitos, medos, fraquezas.

Mas, já dizia Sócrates – “Conhece-te a ti mesmo”, só assim para evoluirmos e nos tornamos seres melhores.

Ouvir que “nenhum erro é impossível de ser mudado” ao mesmo tempo alivia e incentiva a de fato, mudar.

Quero mudar, quero deixar de lado todos os padrões que durante anos vem atrapalhando meu modo de viver nesse mundo, de me relacionar com as pessoas, Enfim

Quero Paz e Serenidade.

Empatia

15 Out

Os quatro tipos de empatia segundo Paul Ekman

  • Reconhecimento da Emoção – sabe o que o outro sente
  • Ressonância emocional – sente o que o outro sente
  • Compaixão – sabe, sente ou não, mas quer aliviar o sofrimento alheio
  • Altruísmo – Compaixão que corre risco ao próprio bem-estar ao tentar aliviar o sofrimento alheio.

[…] quanto mais claramente vemos as coisas como são, mais dispostos e capazes nos tornamos de abrir nossos corações a outros seres. Quando reconhecemos que os outros vivenciam dor e infelicidade porque não reconhecem sua verdadeira natureza, somos espontaneamente movidos por um desejo profundo de que eles vivenciem o mesmo senso de paz e clareza que começamos a conhecer. (Yongey Mingyur Rinpoche, em “A Alegria de Viver”. – <retirado de http://devaneios-vitorescos.blogspot.com&gt;)

%d bloggers like this: