Archive | Março, 2013

Sobre Anjos II

19 Mar

images (1)

Esse post quase foi sobre almas gêmeas, mas aí ficou sobre anjos mesmo.

Tenho duas imagens sobre anjos dentro de mim: aquele anjo que protege (anjo da guarda) e o anjo que existe para te fazer digno. Digno de possuir a vida que ganhou de presente (ou de carma).

Anjos deixaram de ser criaturas distantes, celestiais, preservadas sob a áurea do divino. Talvez eles ainda sejam essas criaturas – se quiser ver o lado mágico da coisa – mas eles se vestem de um material tão mortal e tão humano quanto nós, mas com uma missão especial: tirar o melhor de nós, despertar o divino latente dentro da gente.

Imagino que cada um desses anjos tenha uma abordagem : alguns são disfarçados de monstros – tem a cara feia, dão arrepio mas ao mesmo tempo nos atraem de uma maneira misteriosa. Por mais dolorosa que seja a passagem desses anjos na nossa vida, eles nos obrigam a aprender, levantar, trabalhar nossos sentimentos, e no fim, depois que eles passam por nossas vidas nunca mais somos os mesmos. A pérola é fruto do sofrimento, também nós podemos aproveitar uma experiência ruim e apropriarmos de algo único, pessoal e intransferível: a experiência humana.

Tanta volta para chegar ao ponto que quero: um desses tipos de anjos – aqueles cuja existência quase se confunde com o significado da nossa.

É uma variação do anjo da guarda, mas que, devido às nossas necessidades assumem papéis diferenciados – algumas vezes afagam, elogiam, cuidam, zelam e outras provocam, repreendem, brigam e até desprezam.

Parece contraditório , mas esses anjos vão assumir a forma – ou papel – que for necessária para nos forçar a ser o melhor que conseguimos, essa é a missão deles. Quanto mais sublime nosso processo de transformação em seres dignos, mais eles alongam suas asas e mostram as dádivas divinas que são.

Você deve conhecer pessoas assim também, são pra elas que você corre na hora que a coisa aperta, quando o nó chega na garganta e faz a respiração ficar difícil. São aquelas que só de olhar de devolvem a coragem, são aquelas que vibram de verdade com as suas vitórias – o brilho delas transpassa na voz, no olhar, naquele intangível êxtase ao te ver digno.

Eu tenho um anjo desses sob a forma de irmã, prova da infinita bondade de Deus, ou do acaso tão perfeito que faz de mim alguém com a maior das sortes. Ela veio com seus olhos azuis, com seus atributos genéticos “socialmente valorizados” tomar para si um pedaço de tudo que era meu. A dignidade que me foi exigida com a chegada dela – ainda um bebê – fez de mim o que sou hoje, para o bem e para o mal.

Lógico que não parou por aí. Eu não era uma criança que sabia lidar com isso, ela estava sempre ali, me forçando a construir um caminho, a construir um papel de irmã mais velha. Desajustada, eu não queria ser responsável, não queria ser exemplo, mas ela estava sempre lá – me olhando com aquele brilho no olho que me assustava – como ela ousava invadir e conhecer a minha alma desse jeito?

Era uma presença se sobrepunha sobre a minha, se misturava, suplicava minha atenção. Afetou cada minuto da minha infância e adolescência, era um tal de lidar com raiva, inveja, amor, ódio, posse, proteção, fraternidade, cumplicidade – tudo isso sem precisar dar nome – tudo era simplesmente vivido e experimentado. Por mais pesada que fosse cada experiência ela não machucava a alma, mesmo nas piores brigas e atritos não ficava sequer rastro de mágoa ou arrependimento. Eu estava perdoada simplesmente por existir, e por mais que eu me atentasse e recitasse tantos fatos sobre ela, nada pesava, ela continuava leve e pura como da primeira vez que a vi.

Ainda que a convivência me ensinasse, foram em todas as dolorosas experiências e fracassos externos que ela crescia. A cada sofrimento que eu enfrentava vinha à consciência o real significado da presença daquela menina de olhos azuis na minha vida, daquela presença intrusa e que fazia parte do que eu era.

Foram nas minhas fraquezas que que as asas delas se mostravam – gigantes, brilhantes e incrivelmente acolhedoras. Uma espécia de telepatia inerente, e independente de estímulo externo (fosse olhar, conversa, gesto) nada era necessário. A simples existência dela me fazia digna. E essa dignidade me fez forte. Não há como agradecer algo assim, nada é capaz de compensar essa sorte. Fui abençoada e pronto.

Não sou capaz de devolver, o máximo que posso fazer é dar sentido à missão dela e me esforçar para ser digna. Uma visão extremamente egoísta sobre a vida dela, como se eu fosse o carma que ela tinha que resolver, mas é como eu me sinto perante isso – não me sinto em dívida, me sinto abençoada pelo divino.

A Bruna é tão perfeita em completar minha vida e me fazer uma pessoa melhor, que não sou capaz de imaginar uma dimensão onde nossas existências não tenham sido planejadas para acontecerem dessa forma. Como alguém tão humana quanto eu seria tão generosa e eficiente em ser e agir exatamente como deveria para me fazer forte e digna se esta não fosse sua missão?

19 de Março, dia dos representantes dos anjos na Terra, dia que nasceu o anjo na minha vida : Bruna Terezinha.

bruhh2

O Menino que Carregava Água na Peneira

15 Mar
Imagem
 
Gente, hoje recebi uma notícia boa, mas assim como a supertição de grávida – só compartilho com o “mundo” quando rolar de verdade.
 
Recebi essa poesia de uma tia (jovem) que mora longe, era de ontem, dia da poesia.
 
Mas é tudo que faz meu coração vibrar: poesia, vazio, palavras
 
O Menino que Carregava Água na Peneira
Manuel de Barros
 
Tenho um livro sobre águas e meninos.
Gostei mais de um menino
que carregava água na peneira.

 

A mãe disse que carregar água na peneira
era o mesmo que roubar um vento e
sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.

 

A mãe disse que era o mesmo
que catar espinhos na água.
O mesmo que criar peixes no bolso.

 

O menino era ligado em despropósitos.
Quis montar os alicerces
de uma casa sobre orvalhos.

 

A mãe reparou que o menino
gostava mais do vazio, do que do cheio.
Falava que vazios são maiores e até infinitos.

 

Com o tempo aquele menino
que era cismado e esquisito,
porque gostava de carregar água na peneira.

 

Com o tempo descobriu que
escrever seria o mesmo
que carregar água na peneira.

 

No escrever o menino viu
que era capaz de ser noviça,
monge ou mendigo ao mesmo tempo.

 

O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
E começou a fazer peraltagens.

 

Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.
O menino fazia prodígios.
Até fez uma pedra dar flor.

 

A mãe reparava o menino com ternura.
A mãe falou: Meu filho você vai ser poeta!
Você vai carregar água na peneira a vida toda.

 

Você vai encher os vazios
com as suas peraltagens,
e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos!
……………………………………………………………..
%d bloggers like this: