Bom, pra começar…

29 Jul

Essa semana andei pesquisando um pouco sobre Arquitetura da Informação…confesso que estou me sentindo como no começo da Faculdade…Um mundo de coisas pra aprender…É uma delícia, mas eu fico me perguntando como sobrevivi esse tempo todo sem saber essas coisas, como que vou fazer pra colocar tudo isso na minha cabeça (aiii um chip como o de Matrix, seria perfect..) etc etc etc … Enfim…a tal ansiedade…

E como eu mesmo me cobro e também me justifico…pensei que nao sou obrigada a saber de tudo mesmo, eu estou me formando em Biblio sim e daí, quem falou que eu ia sair sabendo todo o conteúdo…eu posso dizer que sei CDU, conheço bem livros de direito, varias bases de informacao juridica…agora é correr atrás…

Nos blogs da área, encontrei essa entrevista do Umberto Eco que achei muito interessante…

Eh Isso!!

Velocidade da web causará perda de memória, diz Umberto Eco

Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 12/05/2008

Em entrevista publicada no jornal espanhol “El Pais” e reproduzida pelo caderno Mais! deste domingo, o romancista Umberto Eco fala sobre a velocidade da internet e como ela afeta a troca de informação.
Antes de se consagrar como romancista, Eco já era considerado um importante semiótico, autor de obras marcantes como “Apocalípticos e Integrados” e “Super-Homem de Massa” (sobre a cultura de massa, analisando romances de folhetim e quadrinhos), “Como Se Faz uma Tese” e “Obra Aberta” (Perspectiva).
Na ficção, além de “O Nome da Rosa” (Best Seller), publicou “O Pêndulo de Foucault”, “A Ilha do Dia Anterior”, “Baudolino” e “A Misteriosa Chama da Rainha Loana” (Record). Sobre tradução, saiu no Brasil em 2007 “Quase a Mesma Coisa” (também pela Record).

Confira trechos da entrevista abaixo. A íntegra, disponível apenas para assintantes UOL ou Folha, pode ser lida aqui.
* PERGUNTA – Existe alguma saída para esse mal-estar universal?

ECO – No momento, não. E, se eu tivesse a receita, a venderia ao presidente dos EUA por alguns bilhões de dólares!

PERGUNTA – Com certeza. E quem será ele?

ECO – E que sei eu? Os escritores não somos Nostradamus.

PERGUNTA – O que é certo é que alguns anos atrás o sr. disse que viveríamos de modo rapidíssimo, e agora vivemos em velocidades supersônicas.

ECO – E tudo o que existe agora será obsoleto dentro de pouco tempo. Até o e-mail será obsoleto, porque tudo será feito com o celular.
Talvez as novas gerações se acostumem a isso, mas existe uma velocidade do processo que é de tal calibre que a psicologia humana talvez não consiga adaptar-se. Estamos em velocidade tão grande que não existe nenhuma bibliografia científica americana que cite livros de mais de cinco anos atrás.
O que foi escrito antes já não conta, e isso é uma perda também quanto à relação com o passado.

PERGUNTA – A fé cega na internet, por outro lado, cria monstros.

ECO – Sim, parece que tudo é certo, que você dispõe de toda a informação, mas não sabe qual é confiável e qual é equivocada. Essa velocidade vai provocar a perda de memória.
E isso já acontece com as gerações jovens, que já não recordam nem quem foram Franco ou Mussolini! A abundância de informações sobre o presente não lhe permite refletir sobre o passado. Quando eu era criança, chegavam à livraria talvez três livros novos por mês; hoje chegam mil. E você já não sabe que livro importante foi publicado há seis meses. Isso também é uma perda de memória. A abundância de informações sobre o presente é uma perda, e não um ganho.

PERGUNTA – A memória é o esquecimento, como diria [o escritor uruguaio] Mario Benedetti.

ECO – É a história de “Funes, o Memorioso”, de Borges: aquele que tem toda a memória é um estúpido.

PERGUNTA – Tanta informação faz com que os jornais pareçam irrelevantes.

ECO – Esse é um de nossos problemas contemporâneos. A abundância de informação irrelevante, a dificuldade em selecioná-la e a perda de memória do passado -e não digo nem sequer da memória histórica. A memória é nossa identidade, nossa alma. Se você perde a memória hoje, já não existe alma; você é um animal.
Se você bate a cabeça em algum lugar e perde a memória, converte-se num vegetal. Se a memória é a alma, diminuir muito a memória é diminuir muito a alma.

PERGUNTA – Qual seria hoje o papel da informação?

ECO – Creio que perdemos muito tempo nos formulando essas perguntas, enquanto as gerações mais jovens simplesmente deixaram de ler jornais e se comunicam por meio de mensagens de texto. Eu não posso me desligar dos jornais. Para mim, sua leitura é a oração matinal do homem moderno. Não posso tomar o café da manhã se não tiver pelo menos dois jornais para ler.

Mas talvez sejamos os resquícios de uma civilização, porque os jornais têm muitas páginas, mas não muita informação. Sobre o mesmo tema há quatro artigos que talvez digam a mesma coisa… Existe abundância de informação, mas também abundância da mesma informação.

Não sei se você se lembra de minha teoria sobre o “Fiji Journal”. Eu estava em Fiji coletando informações sobre os corais para meu livro “A Ilha do Dia Anterior” [ed. Record], e em meu hotel chegava todas as manhãs o “Fiji Journal”, que tinha oito páginas -seis de anúncios, uma de notícias locais e outra de notícias internacionais.

No mês que passei ali, a primeira Guerra do Golfo estava prestes a estourar, e, na Itália, o primeiro governo de Berlusconi tinha caído. Inteirei-me de tudo porque em uma única página de notícias internacionais, em três ou quatro linhas, davam-me as notícias mais importantes.

PERGUNTA – Como a internet.

ECO – Vamos à internet para tomar conhecimento das notícias mais importantes. A informação dos jornais será cada vez mais irrelevante, mais diversão que informação. Já não nos dizem o que decidiu o governo francês, mas nos dão quatro páginas de fofocas sobre Carla Bruni e Sarkozy [atual presidente da França]. Os jornais se parecem cada vez mais com as revistas que havia para ler na barbearia ou na sala de espera do dentista.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: